PINCELAdas Da

história da ALAD

A iniciativa de criar uma associação relacionada ao diabetes que reunisse os países latino-americanos nasceu dos médicos da Rioplatense: argentinos e uruguaios, liderados pelo fisiologista argentino Dr Bernardo Houssay, possivelmente acompanhados pelos professores Dr Francisco Roca e Perla Temesio.

A idéia foi concebida em reuniões de médicos latino-americanos interessados em diabetes nos congressos da Federação Internacional de Diabetes em Genebra (Suíça, 1961), Toronto (Canadá, 1964) e finalmente Estocolmo (Suécia, 1967).

Para avançar a idéia na Sociedade Argentina de Diabetes, foi formado um “Subcomitê da Sociedade Latino-Americana de Diabetes” por Luis Cardonnet, Néstor Serantes, Bernardo Nusimovich, Ricardo Rodríguez e Maximino Ruiz, já que o próximo congresso mundial de diabetes seria realizado na Argentina.

De 23 a 28 de agosto de 1970, foi realizado o Sétimo Congresso da Federação Internacional de Diabetes, com a abertura do Congresso na Aula Magna da Faculdade de Medicina da Universidade de Buenos Aires e as sessões no Teatro Geral San Martín em Buenos Aires.

O grande pesquisador Doutor Virgilio Foglia foi o Presidente do Congresso e os Presidentes Honorários foram dois grandes na história da diabetes: Bernardo Houssay (Argentina) e Charles Herbert Best (Canadá), ambos fisiologistas. O Dr. Houssay foi o primeiro Prêmio Nobel de Medicina da América Latina em 1947 e o Dr. Best trabalhou com Frederick Banting na descoberta da insulina na Universidade de Toronto em 1921.

Nos momentos acordados, reuniram-se para criar a Associação Latino-Americana de Diabetes: Luis Cardonnet, Saúl Senderey, Rafael Camerini-Dávalos, Bernardo Nusimovich, Ricardo Rodríguez, Néstor Serantes, Félix E. Puchulu, Maximino Ruíz, Dora Fox (Argentina), Bernardo Leo Wajchenberg (Brasil), Sánchez-Medina (Colômbia), Luis Canessa e Manuel García de los Ríos (Chile), Hazoury Balhes (República Dominicana). Dora Fox (Argentina), Bernardo Leo Wajchenberg (Brasil), Sánchez-Medina (Colômbia), Luis Canessa e Manuel García de los Ríos (Chile), Hazoury Balhes (República Dominicana), Lozano-Castañeda (México), Francisco Rocca, Perla Temesio (Uruguai), Castillo Navarrete, Colina Bracho (Venezuela).

O primeiro presidente eleito foi o Dr. Luis Cardonnet, da Argentina, e outros 17 presidentes se seguiram.

O Primeiro Congresso da Associação Latino-Americana de Diabetes (ALAD) foi realizado em Montevidéu (junto com as IV Jornadas Rioplatenses de Diabetes) e foi presidido pelo Dr. Francisco Rocca. Os locais cobriam vários países da região, com reuniões brilhantes onde, além do rigor das ciências, se cultivava o encontro entre latino-americanos e amigos de longa data e sempre existiam outras amizades que nasciam em um evento. O próximo Congresso Latino-Americano de Diabetes, devido à situação de saúde que surgiu no mundo inteiro, será realizado pela primeira vez através do sistema de plataforma virtual em 2022.

A Revista de la Asociación Latinoamericana de Diabetes começou a ser publicada em 1992 e até 2009 foi publicada em papel da Argentina (Ruiz M, Ramos O, Fox D.) e depois passou para um formato digital que foi mantido até hoje (Castillo Núñez Y, Aguilar Salinas C). Está em processo de ser indexado.

Em 2020, foi realizada uma sincera homenagem ao 50º aniversário da ALAD, que foi acompanhada e compartilhada pela Região da América do Sul e Central da Federação Internacional de Diabetes.

A ALAD é atualmente considerada uma associação civil, científica e internacional sem fins lucrativos, criada para reunir profissionais universitários residentes em países da América Latina interessados em Diabetologia e que desenvolvem suas atividades acadêmicas, de saúde, pesquisa básica e medicina da saúde nesta região. Além disso, os profissionais que não vivem ou trabalham na América Latina, mas que se destacaram por sua atividade relacionada ao Diabetes Mellitus, também podem se associar.

APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL – PUNTA CANA 2019

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO